Friday, September 30, 2016

Poética das Mãos/ Morricone


copyright
*****

As tuas mãos, plumas de pássaro,
São borboletas na leveza do ar
E rios de profundidade virginal
No jogo inocente do acaso.
*
Sonham criativas, pela vida inspiradas,
Como musas de uma espontaneidade intensa
Véus de espanto em toques de alvorada
E vertigens sublimes em criatividade imensa.
*
E brindam no seu fluxo madrigal
De toques da alegria bebida no teu sorvo
À inocência da vida na sua loucura seminal
De pássaros livres em voo louco
*
Mas o que mais desvendo nelas
E só deslindo noutras, já bocas,
É que brincam como borboletas
Em rasgos felizes, até ficar loucas!...

Véu de Maya

Thursday, September 15, 2016

Poema de Véu de Maya em torno da nostalgia do Outono/ Chopin


copyright
*****

Este poema acerca da nostalgia do Outono, depois de declamado pelo poeta, está escrito dentro do vídeo numa imagem delicada e sensitiva...e floreado por telas ilustrativas da pintura mundial- sob a sonoridade estrelar de uma fantasia de Chopin...Desfrute da fusão deliciosa entre poesia, música e pintura, pela felicidade do espírito e para alegria estética dos sentidos. Não se esqueça de abir o vídeo em ecrã inteiro-full screen- para uma mais confortável visibilidade das imagens e do poema.
Enjoy the harmony: poetry, music and picture. Amazing relax. thanks.
 Yet the poem in portuguese language, for google translator if you want...
*****
Roda, roda, ó folha de Outono,
Que secaste sem saber...
Mas eu que te toco tão leve
Em que chá te poderia beber!
*
Canto ao vento que te leva
E ao toque que já não podes florir
E ao ver-te rodar assim serena
Como poderia não te esculpir!
*
Sigo ao teu lado pertinho
E ao vaguear no teu caminho
Sorrio-me a passear sozinho
E a sentir-te como idílio já esbecido...
*
Mas ao Baco que à vida sorri
E neste louco altar floresce...
Sob os véus do que festejo em ti
Venho dançar, ó folha de Outono,
*
Pois não quero estiolar como tu
Sem me embriagar neste poema
À nostalgia do que sinto por ti...
*
E ao vento que até na morte se ri
Que sopre até valer a pena...
Na roda em que tudo na vida flori!...

Véu de Maya